Live in São Paulo, Brasil, 22/03/2009

O Radiohead ao vivo em São Paulo no dia 22 de março de 2009. Momento celestial, divino, sagrado. Finalmente na rede. As 14 faixas com o áudio do MultiShow estão impecáveis, as demais com áudio totalmente amador, gravadas do meio da platéia, mas igualmente emocionantes. INDISPENSÁVEL!!!

Radiohead
Chácara do Jóquei, São Paulo, Brasil
22, Março, 2009

Set List:
1. “15 Step”
2. “There There”
3. “The National Anthem”
4. “All I Need”
5. “Pyramid Song”
6. “Karma Police”
7. “Nude”
8. “Weird Fishes/Arpeggi”
9. “The Gloaming”
10. “Talk Show Host”
11. “Optimistic”
12. “Faust Arp”
13. “Jigsaw Falling Into Place”
14. "Idioteque"
15. “Climbing Up The Walls”
16. “Exit Music (For A Film)”
17. “Bodysnatchers”

Bis 1:
18. “Videotape”
19. “Paranoid Android”
20. “Fake Plastic Trees”
21. “Lucky”
22. “Reckoner”

Bis 2:
23. “House Of Cards”
24. “You And Whose Army?”
25. “True Love Waits”/“Everything Is In The Right Place”

Bis 3:
26. “Creep”

DOWNLOAD via RapidShare
[novo link com as 26 faixas mais capa e sobre-capa]



Capa e contra-capa:

Agradecimentos muito especiais ao Rababblues e ao Lágrima Psicodélica.

RADIOHEAD CD's & MP3's: BuscaPéMercadoLivreAmazonInsound7digital

Radiohead no Brasil

“This is really happening”
Radiohead domina corações e mentes e incita nova era de shows no Brasil
[Por Alexandre Matias do Trabalho Sujo]



Tanto no Rio quanto em São Paulo, foi em “Idioteque” que bateu. Por mais que já tivessem hipnotizado o público em “There There”, o cortejado de perto com “Karma Police” e “All I Need” e lhe arrebatado em “The National Anthem” e “Jigsaw Falling Into Place”, o Radiohead tornava-se real no terço final da primeira parte dos shows, quando, pela primeira vez em ambos shows, soltava nossos corações ou mentes, deixando-os finalmente livres para dançar. Os tubos acima do palco eram iluminados com pouca luz, com tonalidades entre o roxo e o azul escuro, o suficiente para dar o ar de pista de dança que a música de Kid A exigia. Os blips do início drenavam toda a ênfase de show de rock que vinha até ali – saía o piano, saía a dinâmica entre as guitarras, violão e teclados que dava a tônica da apresentação e a força do som era reduzida ao diálogo entre a ruídos eletrônicos disparados pelo guitarrista Jonny Greenwood e a bateria metronômica de Phil Selway. Ao lado do baterista, o baixista Colin Greenwood iniciava a seqüência de acordes gelados no teclado que identificavam a canção para as multidões, que saudaram o reconhecimento com o mesmo urro com que havia recebido os hits anteriores. Mas a ausência do miolo instrumental clássico da banda, reduzindo as canções a beats, ritmo e frios acordes de teclados (traçando aí o paralelo genético com o Kraftwerk que abriu os shows) enfatizou a presença solene de um público embasbacado. Ed O’Brien, ainda com seu instrumento em punho, preferiu grunhidos elétricos do que os solos e acordes clássicos que caracterizavam sua participação, enquanto Thom Yorke entregava seu vocal ao delírio robô dançado pela platéia.



“Isso está realmente acontecendo”, soltava-se Thom, baixinho, braços movendo-se para o lado entre saltos e olhos fechados, dança reprisada pelo público, balançando-se sem acreditar. Estava realmente acontecendo – o Radiohead estava finalmente fazendo um show no Brasil, doze anos depois de OK Computer, dois anos depois de In Rainbows, reprisando o disco mais importante da década na íntegra, enquanto repassava as principais faixas de um dos discos mais importantes da década anterior e costurava o resto do show com faixas tiradas dos três álbuns lançados entre estes e dois hits sacados de seus dois primeiros discos. Mas independentemente das músicas que foram escolhidas, eis um paradigma vencido. A vinda do Radiohead talvez tenha encerrada uma adolescência do Brasil em relação a shows, sejam internacionais ou brasileiros, iniciada com o primeiro Rock in Rio – mas depois eu falo mais disso.



O Radiohead é uma banda cujo carisma e apelo popular não está em gestos ou na comunicação com o público – e sim através das canções e na forma como estas foram dispostas nos shows. Sua apresentação não conta com um vocalista populista e sorridente, que veste a camisa da seleção brasileira e tenta balbuciar agrados em português. Seus dois heróis da guitarra são pouco usuais – embora Ed O’Brien esteja mais próximo do que se espera de um guitarrista clássico, ele sabe que seu papel é coadjuvante (é o principal cavaleiro de Sir Yorke, seu Lancelot) e secundário, enquanto o verdadeiro guitar hero da banda, Jonny, seja um magrelo tão chegado aos beats eletrônicos e efeitos de dub do que aos solos de guitarra. A cozinha formada por Colin e Phil é avessa aos holofotes e prefere olhar-se nos olhos em vez de encarar o resto da banda. Thom Yorke, por sua vez, seduz o público apenas com sua voz.



E que voz. Mais do que o palco aceso e colorido, a voz de Thom Yorke é o principal elemento no show da banda. Não é ela quem determina o tom das canções – este quase sempre é definido pelo conjunto musical, quase sempre em discussões entre os instrumentos de Colin, Phil e Jonny – mas é o vocal quem o dissemina sobre o público. O timbre de Yorke, como os diferentes acordos instrumentais propostos pela banda, não pertence a um único território. Ele pode balbuciar como um bêbado e soar como um anjo na mesma canção (“Exit Music (for a Film)”, por exemplo), deixar sua voz atingir picos melódicos virtuosos (“Reckoner” ou o final de “All I Need”), soltar grunhidos ininteligíveis (no meio de músicas mais pesadas, como “National Anthem” ou “Bodysnatchers”) ou escárnios cínicos – em especial em “You and Whose Army?”, talvez seu momento de interação mais direta com o público, através de uma webcam posicionada em frente ao piano, deixando-o à vontade para brincar com a imagem de seus olhos tortos. Quase sem falar com o público no show do Rio, só falou com os paulistas alguns “obrigado” ditos quase sem sotaque. A única exceção veio antes de “You and…”, quando anunciou a música “para os ianques” nos dois shows e antes de entrar na segunda vez em que “Creep” foi tocada no Brasil, em São Paulo, quando perguntou se o público sabia qual era a próxima. No Rio, o diálogo ficou por conta de Ed, em português mesmo, que apresentou a banda em “Airbag” (“nós somos Radiohead”) e mandou um “bom pra caralho!” que resumiu o espírito do show depois de “Reckoner”, fechando o segundo bis na Apoteose.



Guitar hero compenetrado, Ed é instrumentista de rock clássico, herdeiro de uma genealogia de seu instrumento que inclui Eric Clapton, Jeff Beck e David Gilmour, que sabe a hora em que deve ficar no centro da canção e quando é hora de deixar outro músico brilhar. Já Jonny é o típico guitarrista pós-punk, porém destemido frente à grandiosidade – ecoa tanto a guitarra de The Edge quanto à do Public Image Ltd, do Pere Ubu e dos Talking Heads. Sabe que a eletricidade pode comunicar com ou sem a guitarra, por isso dedica-se tanto às seis cordas quanto à manipulação de ruídos em sintetizadores analógicos e pedais de efeito, jogando transmissões de rádios brasileiras para dentro de “National Anthem” e, em São Paulo, tratando-as como dub em “Climbing Up the Walls”. Completos à perfeição, ambos guitarristas ladeavam Thom Yorke como se respondessem pelas duas personalidades do cantor – às vezes mais o doutor Jeckyll (Ed), outras senhor Hyde (Jonny) – ao mesmo tempo em que agem de forma semelhante. Basta ver como se comportam em momentos distintos, longe de seus instrumentos – quando assumem a percussão em “There There” ou quando dedicam-se apenas a manipular efeitos sintéticos e a gravação com a voz de Thom em “Everything In Its Right Place”.



Eis a estrutura básica da banda – Colin e Phil agem como um mesmo instrumento, uma cozinha clássica de banda de rock inglês que evoca tanto o Led Zeppelin quanto os Smiths ou o Clash. A dupla de guitarristas conversa com o piano, a guitarra ou o violão de Thom Yorke em progressões de acordes remanescentes de clássicos ingleses dos anos 70 como Abbey Road, Dark Side of the Moon, Arthur, Phisical Grafitti, A Night at the Opera e The Lamb Lies Down on Broadway. As canções ganham aspecto épico e tratamento rebuscado que fazem muitos menosprezarem a banda como intelectualizada demais – como foram menosprezados seus antecessores. Mas o Radiohead é uma banda que, por mais que componha álbuns conceituais e acene para a música eletrônica de vanguarda, sobrevive em suas canções, na forma como eles cristalizam determinadas emoções em seqüências de acordes, refrões memoráveis, letras que traduzem sentimentos contemporâneos e a reinvenção da dinâmica instrumental do rock entre os anos 60 e 70.



E ao vivo estas faixas mostram sua força – principalmente as de seus três grandes discos, OK Computer, Kid A e In Rainbows. O repertório dos dois shows foi muito parecido e seguiu a média da turnê do ano passado. Tocaram tanto o In Rainbows na íntegra quanto as mesmas faixas de Kid A (“Idioteque”, “National Anthem”, “Everything In Its Right Place”) e do Hail to the Thief (“There There” e “The Gloaming”), além de uma única música em comum do Amnesiac (“You and Whose Army?”). Do OK Computer, só “Paranoid Android” e “Karma Police” foi tocada nos dois shows – “Airbag” e “No Surprises” só foram ouvidas no Rio, “Exit Music”, “Lucky” e “Climbing Up the Walls” apenas em São Paulo. As duas apresentações ainda contaram com faixas do segundo disco da banda (“Just” e “Street Spirit” no Rio e “Fake Plastic Trees” em São Paulo) e com o encerramento por conta de “Creep”, encerrando por vez a discussão a respeito da canção mais popular do Radiohead no Brasil. Outras sutis diferenças puderam ser sentidas – enquanto “How to Disappear Completely” só tocou no Rio, “Pyramid Song” e “Talk Show Host” só foram ouvidas em São Paulo. Mas se você acompanha o Radiohead como um todo e não é fixado em apenas um álbum, assistir a apenas um show já deu um belo panorama da carreira do grupo. Várias faixas ficaram de fora (“Wolf at the Door”, “Knives Out”, “Let Down”, “2 + 2 = 5”, “Planet Telex”, “Morning Bell”, “High and Dry”, “Electioneering”), mas quem assistiu a apenas um dos dois shows teve um belo panorama da força da banda ao vivo e de como ela coloca suas canções em primeiro plano. O público respondeu à altura: no Rio, a massa continuou “Karma Police” sozinha, cantando “for a minute there/ I lost myself/ I lost myself” mesmo depois que a banda deixou de tocar, enquanto em São Paulo o público continuou “Paranoid Android” sem a banda com seus “rain down” sendo seguidos por Thom Yorke – que quase ameaçou tocar “True Love Awaits”, mas foi levado pela força das próprias canções.



Até o cenário favorecia às músicas. Ao contrário de outros medalhões que enchem suas apresentações com efeitos especiais, fantasias, dançarinos, criaturas infláveis ou estruturas gigantescas, o Radiohead preenche o próprio palco com um efeito simples e genial. A série de tubos dispostos na vertical sobre a banda funciona como um telão projetado sobre um candelabro, uma luz refletida em código de barras, que amplificava a iluminação como as caixas aumentavam a potência sonora da banda. A cada faixa, tons fortes tomavam conta da ribalta, vinculando cores (In Rainbows, afinal de contas) a andamentos musicais – laranja, vermelho e roxo brigam nos momentos mais intensos, o azul cai sobre as baladas mais sentimentais, o amarelo anuncia climas áridos e o verde vinha nas músicas mais rápidas.



Alternando as cores com claros e escuros e as próprias imagens em telões colocados atrás e nas laterais do palco (equipamento que falhou durante as cinco primeiras músicas do show de São Paulo), a iluminação da turnê In Rainbows servia apenas para destacar as qualidades musicais da banda, usando estrobos e luzes negras para enfatizar mudanças de andamento, solos instrumentais e efeitos eletrônicos. Triste para quem não foi ao show: as gravações em vídeo quase nunca fazem jus aos tons de cores usados ao vivo.



No centro de tudo, dominando milhares de corações e mentes em pouco mais de duas horas, o Radiohead é dessas bandas que funcionam melhor quando falam às multidões. Descendentes diretos do U2 dos anos 80, eles ecoam simultaneamente a fase mais católica do grupo irlandês quanto seu período europeu do início dos anos 90 – soando quase sempre dúbio e ambíguo, entre o desespero e o conforto, o doce e o amargo, e assim conectando-se com outra importante banda em sua formação, os Smiths. O quinteto consegue fazer os dois grupos soarem próximos em canções que também remetem às carreiras solo dos Beatles, ao momento em que o Who começou a soar opulento e ao Genesis antes da saída de Peter Gabriel. O som da banda então é revestido por duas camadas diferentes de contemporaneidade ao fim do século 20 – a redescoberta do refrão proporcionada pela conjunção grunge/britpop no início dos anos 90 e à lenta diluição das diferentes facetas da música eletrônica (desde a mais séria ao seu lado mais fútil) com a música pop. Difícil imaginar que o cenário pop atual florescesse e abrisse espaço para bandas como LCD Soundsystem, TV on the Radio, Killers, The National, Bloc Party, Sigur Rós, Interpol, Modest Mouse, Árcade Fire e Franz Ferdinand não fosse a importância e o pioneirismo do Radiohead nos anos 90.



E a vinda da banda ao Brasil no início de 2009 fechou não apenas o ciclo aberto com o certa vez mítico anúncio dos shows da banda no país como talvez uma adolescência longa demais no que diz respeito a apresentações internacionais por aqui. Desde que foi cogitado pela primeira vez, logo após o lançamento de Kid A, em outubro do ano 2000, o show do Radiohead no Brasil era algo que deixava de ser um mero boato e ganhava contornos de lenda. Nesse meio tempo, vieram para o Brasil artistas que pareciam ainda mais inatingíveis que o grupo liderado por Thom Yorke, além de quase todas as bandas e novidades internacionais que apareceram neste início de século.



Se existe uma coisa de que não podemos reclamar hoje em dia, é de shows internacionais no Brasil. Quando éramos a periferia da periferia do mundo – quando “Brasil” era quase sinônimo de “Acapulco” ou “Bahamas” –, grandes nomes do showbusiness mundial só pisavam aqui de férias. Entre as visitas de Brigitte Bardot a Búzios e dos Rolling Stones ao interior de São Paulo nos anos 60, o Brasil recebeu visitas esporádicas de grandes artistas que quase nunca vinham fazer shows, apenas espairecer ao sol tropical de nossas bucólicas e desertas praias do passado. Quando vinham fazer shows, artistas como Kiss, Alice Cooper, Police e Queen causaram comoção no inconsciente coletivo na década de 70 e início dos anos 80 – pode parecer estranho, mas houve um tempo em que toda a cultura relacionada ao rock era vista como algo alienígena no Brasil. Daí a importância da geração dos anos 80 – consagrada nacionalmente em um evento (o primeiro Rock in Rio) que trazia, numa só vinda, mais artistas estrangeiros para o país em uma semana do que todos os grandes shows internacionais desde o início daquela década (Sinatra no Maracanã incluso). O festival inaugurou a era que parece encerrar agora, em que grandes artistas são capazes de arrastar multidões para estádios e reviver épocas passadas em palcos do terceiro mundo.



Se hoje rimos da décima oitava vez que o Deep Purple se apresenta em uma cidade do interior de Minas ou quando pela enésima turnê em que três ou quatro bandas australianas passeiam pelo litoral do sul brasileiro, um dia estes mesmos eventos já foram recebidos como acontecimentos históricos. De 1985 para cá, assistimos a shows de todos os principais artistas da história da música moderna –os titãs do pop, os fundadores do jazz, a nata do rock alternativo, os maiores nomes da música eletrônica, os pais do rock’n’roll, os criadores da black music, grandes bandas de heavy metal, hardcore, reggae e disco music. Esta história da música moderna foi revista enquanto vários artistas novatos puderam visitar o Brasil em seus primeiros passos e quando o circuito de shows internacional passou a ser pulverizado. Tudo bem, são menos que dez empresas que ainda trazem os grandes espetáculos internacionais para cá (juntando aos nossos shows favoritos apresentações de espetáculos da Broadway ou do Cirque de Soleil). Mas hoje já há uma segunda divisão considerável de empresários e agentes de shows que buscam shows que não necessariamente pertençam ao ambiente de negócios que se tornaram as vindas de artistas estrangeiros para cá. Assim, ano passado pudemos assistir tanto aos shows de Bob Dylan, Justice, Madonna e Kanye West quanto aos de Will Oldham, Vaselines, Young Gods, Black Lips e Yelle, que passaram pelo Brasil em apresentações bem menores – e em cidades que não são apenas o Rio de Janeiro e São Paulo.



Resta saber o que vai acontecer a partir de agora. Afinal, são 25 anos que nos colocaram no circuito de shows do mundo, que viram nossas estruturas para este tipo de evento crescer (embora ainda estejamos bem distantes do ideal) e artistas brasileiros entrarem neste mesmo mercado de shows – seja o Sepultura, o DJ Marlboro ou o Cansei de Ser Sexy. A vinda do Radiohead ao Brasil parece encerrar uma era de ineditismo de grandes shows por aqui e vem junto com o fim do Tim Festival, que viu em sua edição passada a última oportunidade de se cobrar separadamente ingressos para artistas que vêm num mesmo evento (paradigma redefinido pelo festival Planeta Terra e seguido à risca pelo Just a Fest). O próprio nome “Just a Fest” entrega a vala comum que este tipo de evento acabou se tornando: traga um grande artista, empurre mais outros dois, um brasileiro e eis um festival.



É hora de repensar esse formato. Ao mesmo tempo em que os grandes nomes da indústria do disco vão se reduzindo a um mero punhado de veteranos, o conceito de festival parece fadado a entupir palcos com dezenas de bandas que contam com duas ou três músicas legais e que são mal vistas por multidões desinteressadas. Talvez fosse hora de investir em um novo padrão, em novas experiências de contato com o público. Por que não há um festival grande destes só com artistas nacionais? Cadê o South by Southwest ou o CMJ brasileiro? Por que a Virada Cultural de São Paulo não pode se tornar tão importante quanto o festival de Roskilde, na Dinamarca? Onde estão nossos shows ao ar livre, as discotecagens que acontecem de dia, apresentações na rua, em teatros, em escolas?



Quando acabarem todos os grandes shows, quais você vai ver?


RADIOHEAD CD's & MP3's: BuscaPéMercadoLivreAmazonInsound7digital

Radiohead em Buenos Aires [Setlist]

Eis o setlist do show do Radiohead em Buenos Aires, na noite deste 24 de março recente.

Radiohead
Club Ciudad de Buenos Aires, Argentina
March, 24, 2009


Setlist:
15 Step (In Rainbows)
Airbag (Ok Computer)
There There (Hail To The Thief)
All I Need (In Rainbows)
Kid A (Kid A)
Karma Police (Ok Computer)
Nude (In Rainbows)
Werid Fishes/Arpeggi (In Rainbows)
The National Anthem (Kid A)
The Gloaming (Hail To The Thief)
No Surprises (Ok Computer)
Pyramid Song (Amnesiac)
Street Spirit(Fade Out) (The Bends)
Jigsaw Falling Into Place (In Rainbows)
Idioteque (Kid A)
Bodysnatchers (In Rainbows)
How To Dissapear Completely (Kid A)


First Encore:
Videotape (In Raibows)
Paranoid Andriod (Ok Computer)
House Of Cards (In Raibows)
Reckoner (In Raibows)
Planet Telex (The Bends)


Second Encore:
Go Slowly (In Rainbows)
2+2=5 (Hail To The Thief)
Everything In it’s The Right Place (Kid A)


Third Encore:
Creep (Pablo Honey)

RADIOHEAD CD's & MP3's: BuscaPéMercadoLivreAmazonInsound7digital

Radiohead no Brasil


Radiohead honra o mito em São Paulo
[Por Marcelo Costa para o site Scream & Yell]

“Adivinha o que nós vamos tocar?”, diz Thom Yorke rindo com jeito de menino que está prestes a fazer uma traquinagem. O segundo show brasileiro da In Rainbows Tour caminha para 2h20 de duração e a banda está voltando animadíssima para o terceiro bis (!!!). Ele está de camiseta preta e é igualzinho às fotos que marcaram o imaginário popular durante os últimos 15 anos, um misto de nerd e gênio cujo dom maior (talvez mais do que compor) é ter uma voz tão lírica que poderia fazer um comediante chorar copiosamente no meio de uma piada. Até este momento, o show já tinha conquistado os corações das 30 mil pessoas. (...)

As 22h em ponto soltaram a base minimalista que antecipa a entrada do Radiohead no palco. Começaram com “15 Step” (como em mais de metade das 50 apresentações anteriores desta turnê) e emendaram logo com a batida tribal da matadora “There There” em versão chapante. Como previsto anteriormente aqui, a primeira parte do show variou músicas de “Ok Computer” (”Karma Police”), “Kid A” (”Optimistic” e a estupenda “National Anthem” com Jonny Greenwood sintonizando rádios paulistas na introdução), “Amnesiac” (”Pyramid Song”), “Hail To The Thief” (”The Gloaming”), b-sides (a excelente Talk Show Host”) e “In Rainbows” (”Nude”, “All I Need”, “Weird Fishes/Arpeggi”, “Faust Arp”).

Em comparação com os shows de Leuven e Berlim, a apresentação de São Paulo pulava à frente a da cidade belga e igualava-se em emoção ao show da capital alemã, que levou milhares de pessoas às lágrimas na dobradinha “No Surprises”/”My Iron Lung”. Porém, a capital paulista começou a tomar a dianteira com uma versão arrasadora de “Jigsaw Falling Into Place”, passou brilhando por “Idioteque” (costumamente um dos pontos altos do show) e caiu no colo da dobradinha “Climbing Up The Walls”/”Exit Music (For A Film)”, dois hinos secundários de “Ok Computer” cuja junção lírica fez encher os olhos. “Bodysnatchers”, a porrada de “In Rainbows”, fechou o show de forma digna.



A banda retornou para o (primeiro) bis com a baladaça “Videotape”, então os céus se abriram para “Paranoid Android”, um dos pontos altos de toda carreira do Radiohead. Ao final da canção, porém, o inusitado aconteceu. O público continuou fazendo a segunda voz (que na música é de Ed O’Brien) mesmo com a canção terminada, e Thom Yorke entrou no clima: pegou o violão e voltou a fazer a primeira voz entrelaçando-se com a platéia num daqueles momentos raros que valem uma vida. Emendou “Fake Plastic Trees” e todas as dúvidas se dissiparam antes mesmo do fim do primeiro bis: São Paulo estava assistindo à provável melhor apresentação do Radiohead nos últimos anos.

O primeiro bis seguiu-se emocional com “Lucky” e “Reckoner”, momento em que a banda deixou o palco para desespero da turma do gargarejo, que sozinha gritou por todo o público, meio que esperando o inevitável, que veio na forma de um segundo bis. “House of Cards” abriu o segundo encore seguida por “You and Whose Army” (em grande versão) e “Everything In Its Right Place” em versão electro (precedida por uma citação de “True Love Waits”). Acabou. Acabou? Não. É neste momento que a banda retorna para o terceiro bis e Thom, brincalhão, provoca a platéia. “Adivinha o que nós vamos tocar?”, ele diz ao microfone. Segundos depois, “Creep”. E ponto final. Uma apresentação digna da grandiosidade do mito.

Do ponto de vista de produção, o Just a Fest foi um dos eventos mais vergonhosos realizados em São Paulo nos últimos anos. Os relatos sobre problemas da organização da Plan Music foram postados aqui por diversos leitores, e quase estragaram a festa de milhares de fãs. Felizmente, do outro lado da moeda, o Radiohead cumpriu o esperado com uma apresentação arrebatadora. É preciso estar ciente, porém, que um bom show não salva um evento. Muita gente diz que passaria a mesma coisa para ver o Radiohead, o que mostra o quanto o público brasileiro é despreparado no quesito “direitos”: ele está pagando, mas mesmo assim aceita ser insultado. Não deve, e o Ministério Público pode ser acionado (como alguns fizeram) em caso de abuso por parte do realizador, pois a lembrança de um show tem que ser da arte feita no palco, e não da desorganização de um bando de incompetentes. Que o show do Radiohead fique na memória. O resto…


Fotos: Marcos Hermes / Divulgação

RADIOHEAD CD's & MP3's: BuscaPéMercadoLivreAmazonInsound7digital

Radiohead em São Paulo [Setlist/Fotos]

Radiohead para fãs – espera recompensada
[Por Amauri Stamboroski Jr. para o portal G1]

Se você está lendo esta resenha, é o tipo de pessoa que, de algum modo, vai saber responder à pergunta: “onde você estava quando o Radiohead tocou no Brasil?”. As respostas podem ser inúmeras: “Viajei de Recife para ver os dois shows”, “só fui no Rio”, “vi pela TV”, “fiquei do lado de fora negociando com cambistas”, “eu trabalhei”, “fiquei com raiva do preço (ou do tamanho do público, ou da distância do local do show) e resolvi passar o domingo em casa”.

Provavelmente deve ter alguma história sobre como conheceu a banda: comprou o CD importado do álbum “The bends” ou a edição nacional de “Ok computer” após ler alguma resenha, baixou por curiosidade o primeiro pirata de “Kid a”, ou fez download gratuito (e legal) de “In rainbows”. E deve ter aguardado ansiosamente, desde então, o dia em que a banda tocaria ao vivo no Brasil.

Mas como diria o quinteto inglês em uma de suas próprias canções, “true love waits” (“o amor verdadeiro espera”). E o Radiohead se esforçou em cada momento de seu show para fazer a espera valer. Começando pelo repertório: no primeiro bis, o set list inicialmente incluía “Wolf at the door”, mas a música foi trocada para “Fake Plastic trees”, um dos maiores hits do grupo no país.

Foi uma apresentação para fãs fiéis, daqueles que conhecem todas as músicas de “In rainbows” (o álbum de 2007 foi tocado na íntegra) ou a letra do lado b “Talk show host”, da trilha sonora do filme “Romeo + Juliet”. Em retorno, a banda sorria, pulava, dançava, olhava feliz e perplexa (como deve fazer noite após noite) para a plateia.

O Radiohead não é uma banda comum, e eles demonstram isso até na hora de fazer o público participar do show. Além das tradicionais palminhas e mãos para cima, a banda grava a própria plateia cantando e depois toca a gravação de volta, gerando momentos emocionantes como em “Karma police” e especialmente “Paranoid android”, quando a música virou um dueto entre o público e o vocalista Thom Yorke.



Arriscando uns “obrigado” e “boa noitchi”, Yorke foi o mestre de cerimônias tímido que o som do Radiohead promete e precisa. Sorri, canta de olhos fechados, faz gestos para o público, dança desajeitadamente, fala pouco. Em um dos momentos mais estranhos e intensos do show, para em frente da câmera (uma das inúmeras espalhadas pelo palco, mistos de webcam com vídeo de segurança) instalada no piano, olhando fixamente enquanto canta “You and whose army” – vai se aproximando, e a lente parece que vai perfurar seu olho.

Desde “Kid a”, o Radiohead vem ensinando como se fazer rock sem usar guitarras – isso faz com que Ed O’Brian e Jonny Greenwood transformem-se em muilti-instrumentistas, tocando percussão, teclados, samplers e o que mais vier pela frente. Por outro lado, exploram o potencial das próprias guitarras – assim como Jimmy Page do Led Zeppelin, Greenwood chega a usar um arco de violino para tocar “Pyramid song”.

Além do telão mostrando as imagens das câmeras fixas apontadas para a banda, o palco também é adornado por uma série de colunas luminosas, que vão mudando de cor a cada nova música.

Mas o principal personagem do show foi o próprio público, reagindo entusiasmado o tempo todo a um som nem sempre convidativo ou “fácil”, pulando, acendendo isqueiros, pedindo músicas, dizendo que “o mundo pode acabar agora”, chorando, ficando no mais absoluto silêncio. Foi para aquelas duas horas e vinte minutos de show que cada uma das trinta mil pessoas esperaram por muito tempo (uns doze anos, outros nove, outros dois). E o pacto informal entre banda e plateia foi cumprido à risca: todos ali fizeram valer a pena, até o fim.

Radiohead
Chácara do Jóquei, São Paulo, Brasil
22, Março, 2009

Set List:

1. “15 Step”
2. “There There”
3. “The National Anthem”
4. “All I Need”
5. “Pyramid Song”
6. “Karma Police”
7. “Nude”
8. “Weird Fishes/Arpeggi”
9. “The Gloaming”
10. “Talk Show Host”
11. “Optimistic”
12. “Faust Arp”
13. “Jigsaw Falling Into Place”
14. "Idioteque"
15. “Climbing Up The Walls”
16. “Exit Music (For A Film)”
17. “Bodysnatchers”

Bis 1:

18. “Videotape”
19. “Paranoid Android”
20. “Fake Plastic Trees”
21. “Lucky”
22. “Reckoner”

Bis 2:

23. “House Of Cards”
24. “You And Whose Army?”
25. “True Love Waits”/“Everything Is In The Right Place”

Bis 3:

26. “Creep”


Fotos do show do Radiohead em São Paulo:

Fotos: Daigo Oliva

RADIOHEAD CD's & MP3's: BuscaPéMercadoLivreAmazonInsound7digital

Radiohead no Brasil

Edgard conversa com Thom Yorke e Ed O'Brien, do Radiohead

Avesso a entrevistas, Thom Yorke raramente é visto batendo papo com alguém na TV. Especialmente rindo em sorriso escancarado e despojado como nesta entrevista com Edgard.

Prefere recusar a postura de rockstar e o assédio da mídia, indo na contramão do culto às celebridades e deixando o vento o soprar a favor de coisas que realmente importam: equilíbrio, consciência ambiental e, fazendo jus à profissão, boa música, muito boa música.

É mais ou menos nessa linha que segue o papo dele e do guitarrista do Radiohead, Ed O´Brien, com Edgard. É a primeira vez que Thom Yorke dá uma entrevista na televisão brasileira. Sorte do Edgard, que esteve com os caras ao vivo, e sua, que vai poder conferir tudo aqui. Leia abaixo e deixe seu comentário sobre esse momento histórico, que é a primeira vez do Radiohead no Brasil.

Como tem sido essa 1ª turnê na América Latina? Algumas surpresas?
Thom: "Surprises? Ed fala das surprises".

Ed: "Surpresa é estarmos aqui. Faz muito tempo que queremos vir e por algum motivo demorou muito pra gente estar aqui. É algo com que sonhamos fazer faz muito tempo. É incrível pra gente".

Setlist: músicas novas vs clássicos
Thom: "Vamos com o que estamos sentindo. Não nos preocupamos muito com isso. Com um público grande, a maioria dos shows é grande. Não sei quantas mil pessoas. Vamos tocar algumas antigas, mas vamos tocar algumas do In Rainbows".

Ed: "Arppeg foi muito bem recebida, There There também. Começamos a turne no México e o CD nem foi lançado nas lojas lá. E todo mundo parecia saber, parece que a internet está cumprindo sua função".

Thom gosta de "Videotape" (do mais novo álbum, In Rainbows)
Thom: "Eu gosto de Videotape porque foi muito difícil de fazer. Eles tiveram que me retirar do estúdio pra música acontecer, por isso eu gosto", brinca.

Sistema de luz econômico
Thom: "Temos um cara chamado Andy Watson, que trabalha com a gente desde 1993. Ele é o nosso cara. Dessa vez pedimos para ele desenvolver um sistema de luz econômico. O sistema que você verá usa 30% da energia usada em luzes convencionais. Coincidiu com uma nova tecnologia".

No show, o Radiohead mixa músicas em português. Como isso acontece?
Thom: "Durante National Anthem sempre usamos o radio aleatoriamente. Às vezes, nos EUA, sintonizamos uma música country terrível. Temos que aceitar. Meu Deus! Tarde demais! É o destino. O que estiver tocando no rádio. Sintonizamos quatro estações. O que estiver tocando entra".

Sala de meditação
Thom: "Serve para esvaziar a mente de tudo que está acontecendo, para não levar essas coisas para o palco. É o oposto do que faz o Michael Stripe. Quando estávamos em turnê com o REM, ele não se preocupava em aquece a voz, nada. Eu tentei fazer isso e descobri que tinha que fazer o oposto".

Kraftwerk
Ed: "Eles são monstros, sao muito importantes na história da música. Na primeira noite, na Cidade do México, a gente mal acreditava. Quando ouço 'The Model' parece que tenho 14 anos e estou na escola. Aqui estamos, muitos anos depois no mesmo palco. É um sonho".

Thom: "Saímos com eles uma noite dessas e ficamos conversando, sobre equipamento, e como gravaram discos, trocamos ideias sobre como funcionam nossos estúdios. É ótimo!".

Timidez / Assédio da mídia
Thom: "Para mim, é um conflito quando estou numa praia no Rio e alguém tira uma foto minha. Com meu corpo branquelo horroroso! Fora isso, não me incomoda. Isso é difícil, acho complicado. Fico querendo sossego".

Veja o vídeo com a entrevista no site do Multishow.

RADIOHEAD CD's & MP3's: BuscaPéMercadoLivreAmazonInsound7digital

Ao Vivo no Foro Sol, México, DF, 16/3/2009

Segundo grande show do Radiohead no Foro Sol, Cidade do México, DF, em 16 de março de 2009, dando sequência a turnê latino-americana. Imperdível!

Setlist:
1. Intro
2. 15 Step
3. There There
4. The National Anthem
5. All I Need
6. Kid A
7. Karma Police
8. Nude
9. Weird Fishes/Arpeggi
10. The Gloaming
11. Talk Show Host
12. Videotape
13. You And Whose Army
14. Jigsaw Falling Into Place
15. Idioteque
16. Climbing Up The Walls
17. Exit Music (For a Film)
18. Bodysnatchers
19. How To Disappear Completely
20. Paranoid Android
21. Dollars And Cents
22. The Bends
23. Everything In It's Right Place
24. Like Spinning Plates
25. Reckoner
26. Creep

Download: RapidShare
Password: http://discotheke.blogspot.com/
Credits: Discotheke

RADIOHEAD CD's & MP3's: BuscaPéMercadoLivreAmazonInsound7digital

Ao Vivo no Foro Sol, México, DF, 15/3/2009

Grande show do Radiohead no Foro Sol, México, DF, em 15 de março de 2009, há exatamente uma semana atrás, abrindo a turnê latino-americana. Imperdível!

Tracklist:
1. 15 Step
2. Airbag
3. There There
4. All I Need
5. Nude
6. Weird Fishes/Arpeggi
7. The Gloaming
8. National Anthem
9. Faust Arp
10. No Surprises
11. Jigsaw Falling Into Place
12. Lucky
13. Reckoner
14. Optimistic
15. Ideoteque
16. Fake Plastic Trees
17. Bodysnatchers
Encore 1:
18. Videotape
19. Paranoid Android
20. House of Cards
21. My Iron Lung
22. Street Spirit (Fade Out)
Encore 2:
23. Pyramid Song
24. Just
25. Everything in its Right Place

Download: RapidShare
Password: http://discotheke.blogspot.com/
Credits: Discotheke

RADIOHEAD CD's & MP3's: BuscaPéMercadoLivreAmazonInsound7digital

Radiohead no Rio de Janeiro [Setlist/Fotos]

O Radiohead mostrou em seu primeiro show no Brasil, ontem, dia 20 de março de 2009, no Rio de Janeiro, um repertório bem parecido com os shows anteriores da turnê 2008/2009. No setlist, as dez músicas de “In Rainbows” (2007) foram mescladas a canções clássicas mais antigas de todos os seis álbuns anteriores.

Eis o setlist do primeiro show do Radiohead no Brasil:

1. “15 Step”
2. “Airbag”
3. “There There”
4. “All I Need”
5. “Karma Police”
6. “Nude”
7. “Weird Fishes/Arpeggi”
8. “The National Anthem”
9. “The Gloaming”
10. “Faust Arp”
11. “No Surprises”
12. “Jigsaw Falling Into Place”
13. “Idioteque”
14. “I Might Be Wrong”
15. “Street Spirit (Fade Out)”
16. “Bodysnatchers”
17. “How To Disappear Completely”

Bis 1:

18. “Videotape”
19. “Paranoid Android”
20. “House of Cards”
21. “Just”
22. “Everything In It’s Right Place”

Bis 2:

23. “You And Whose Army?”
24. “Reckoner”
25. “Creep”



Veja mais fotos do primeiro show do Radiohead no Brasil:

Fotos: Alexandre Durão

RADIOHEAD CD's & MP3's: BuscaPéMercadoLivreAmazonInsound7digital

Radiohead no Brasil

Oito motivos para você não perder o show mais esperado dos últimos anos pelo público brasileiro
[Por Abonico e Luiz Alberto Moura do Mondo Bacana]

Precisa? Enfim, sendo eu um grande fã da banda (minha tatuagem não me deixa mentir) não precisaria de motivo algum a mais. Esse show é daqueles itens obrigatórios na vida de todo mundo que tem mais de 25 anos e escuta rock decente. Mesmo assim, resolvi enumerar alguns itens que (tentem) convencer aqueles que ainda não se sintam tentados pela banda de Thom Yorke e cia a ir até Rio de Janeiro (20 de março) ou São Paulo (22) ou pelo menos acompanhar à transmissão ao vivo pelo canal de TV por assinatura Multishow.

Esta é a maior e mais importante banda dos últimos vinte anos

Bom, só isso já valeria gastar seus parcos R$ 200 no ingresso. Mas só para situar, desde os Smiths não se via, lá fora, uma banda causar tamanha comoção e agrupar uma horda de seguidores – não se tratam de apenas fãs. Algumas conseguiram por pouco tempo como o Nirvana, que, por motivos óbvios, não foi muito além dos primeiros anos da década de 90. Além disso, eles conseguiram juntar coisas ditas impossíveis como a fúria do punk e a complexidade do rock progressivo.

Ok Computer

Foi a partir do lançamento deste disco, em 1997, que eles saíram do time das bandas ditas “normais” e assumiram um papel de vanguardistas no rock. É daqueles discos que fogem ao padrão “três ou quatro músicas boas” dos lançamentos dos últimos anos. Todas as faixas são significativas: trazem algo novo, original, em arranjos ousados, em uma mistura de rock com algo que a música eletrônica fazia na época (o título do disco é uma alusão à explosão techno daquela época). Figura fácil em qualquer lista dos melhores álbuns de rock de todos os tempos.

Poucas bandas sobreviveram tanto tempo lançando discos tão ousados e diferentes entre si.

Pois é. Depois de Ok Computer ficou no ar (inclusive entre a banda) aquele pensamento de “o que fazer agora?”. O perigo era se repetir e fracassar na tentativa de um “Ok Computer – Volume II”. Então, eles tocaram o foda-se e botaram na praça Kid A e Amnesiac. Um seguido do outro (com espaço de um ano entre eles, pouquíssimo usual hoje em dia) e experimentais até o talo. Tiraram o peso das costas e puderam planejar melhor os discos mais “rock”. Se é que se pode chamar o Radiohead APENAS de rock. Em tempo: Kid A é o álbum mais vendido da banda até hoje.

Johnny Greenwood

O multiinstrumentista dentuço por si só já é uma atração. Para quem gosta de experimentos com guitarras, pedais, teclados e outras parafernálias ele é um prato cheio. Se o Thom Yorke é a alma da banda, o compositor, Greenwood é quem faz a máquina andar. Torta, barulhenta, fora do tempo, mas anda. E muito.

A oportunidade de ver (e ouvir) clássicos do rock contemporâneo

Sabe aquele show que chega ao Brasil com 20 anos ou mais de atraso e no qual você canta “Satisfaction”, “Roxanne” ou “Smoke On The Water” ao lado do seu tio de 50 anos? Pois é, essa é a chance de conferir algumas das músicas mais importantes e emblemáticas de anos recentes como “Idioteque”, “No Surprises” e “Paranoid Android” (esta, uma das melhores de todos os tempos).

Kraftwerk como banda de abertura

Esqueça os Los Hermanos e a horda de fãs insuportáveis da (boa) banda dos barbudos. A coisa é chegar nem assim tão antes, mas o suficiente para ver os alemães do Kraftwerk. Da primeira vez que eles vieram, no Free Jazz de 1999, dividiram o palco com o Massive Attack. Ou seja, os caras costumam pintar por aqui com parceiros de primeiríssimo nível. Vai ser divertido ver (apesar de só restar um da formação original) os germânicos e suas experimentações eletrônicas. Muito do Radiohead vem do Kraftwerk. Logo, é bom reparar no que uma influenciou a outra.

O palco

Não espere algo megalômano tipo Kiss ou Michael Jackson. O Radiohead sabe combinar o som com imagens de uma forma inteligente e nada circense. Tudo muito bem feito, com elegância, feito pra atingir ainda mais quem está assistindo.

Quando eles voltarão?

É bom lembrar que a vinda do Radiohead já foi “prometida e descumprida” milhões de vezes, e se tornou até lenda – um famoso jornalista “cravou” várias vezes que eles viriam ano após ano em um extinto grande festival. Mas não se sabe se o raio vai cair mais vezes no mesmo lugar. Portanto, é melhor não arriscar.

MP3: Radiohead - “Idioteque”
MP3: Radiohead - “No Surprises”
MP3: Radiohead - “Paranoid Android”

RADIOHEAD CD's & MP3's: BuscaPéMercadoLivreAmazonInsound7digital

Radiohead no Brasil

Com 20 anos de carreira, Radiohead, finalmente, se apresenta no Brasil
[Por Daniel Levi para o site O Globo Online]

A banda inglesa Radiohead, formada em 1988 na Universidade de Oxford, finalmente chega ao Brasil para apresentações muito mais do que aguardadas. O quinteto, que acaba de completar mais de 20 anos de carreira, angariou uma forte base de fãs no país (e no mundo). O mito da vinda do grupo ao Brasil - há seguidos anos que o Radiohead é anunciado como atração por aqui, para logo após o fato ser desmentido - termina nesta sexta-feira (20.03), quando a banda faz seu primeiro show em terras brasileiras. Dois dias depois, eles se apresentam em São Paulo, encerrando a turnê no país.

No início, Thom Yorke (voz e guitarras), Ed O'Brien (guitarra e vocais), Jonny Greenwood (guitarras), seu irmão Colin (baixo) e Phil Selway (bateria) eram constantemente comparados a grupos como U2 e REM. O primeiro disco - já por uma grande gravadora, no caso, a EMI/Capitol -, "Pablo honey" (1993), colocou nas paradas de sucesso o single " Creep ", responsável por apresentar a banda para milhares de pessoas ao redor do mundo através de um videoclipe de alta rotação na MTV.

No álbum seguinte, "The bends" (1995), ainda podia se notar um pouco da influência dos anos 80, sobretudo das bandas já citadas, além de Joy Division, Pixies e Sonic Youth. Com o grunge explodido mundo afora, algumas guitarras distorcidas se destacaram em faixas como "My iron lung", "Sulk" e "Just", cujo clipe também fez muito sucesso. Mas os pontos de maior destaque do álbum foram o lirismo e a melancolia de faixas como " Fake plastic trees ", " Street spirit " e "High and dry", que fazem de "The bends" uma obra infinitamente superior ao disco de estreia.

Entretanto, foi em "Ok computer" (1997) que a banda deu "o pulo do gato". Considerado por muitos como o melhor disco dos anos 90, o álbum revolucionou a estrutura interna da banda - apelidada de "Punk Floyd" - e chacoalhou a produção musical vigente, através de canções com um pé no rock progressivo, como "Paranoid android", "Exit music (For a film)", " Karma police " e " No surprises ". A banda, no entanto, negou as influências progressivas, dizendo-se mais influenciada pela sonoridade de Massive Attack, Nine Inch Nails e, principalmente, DJ Shadow, além de Beatles e Miles Davis.

Após o estouro de "Ok computer", a banda ficou mais de dois anos sem gravar. Foi com muita expectativa que público e crítica receberam "Kid A" (2000). Pela primeira vez depois do sucesso, alguns narizes torcidos surgiram em relação a um trabalho do grupo. Considerado difícil e pouco inspirado por alguns fãs e críticos, "Kid A" segue, até os dias de hoje, incompreendido, talvez devido a seu "minimalismo eletrônico" e suas influências jazzísticas e de Krautrock dos anos 70, cujo maior expoente, o grupo alemão Kraftwerk, abrirá os shows da banda por aqui. Canções maravilhosas como "Everything in its right place", "How to disappear completely", "Idioteque" e "Morning bell" deveriam constar de qualquer antologia sobre a banda.

Poucos meses depois, em 2001, eles lançaram "Amnesiac", que poderia muito bem se chamar "Kid B". Considerado um "lado B" do "Kid A", o álbum tampouco foi bem recebido pelos mesmos detratores do trabalho anterior. Ainda assim, ambos os discos estrearam nas primeiras posições das paradas nos Estados Unidos e Reino Unido. "Amnesiac" ofereceu ao ouvinte canções fundamentais para que se entendesse a obra do grupo, como " Pyramid song ", "You and whose army?", " I might be wrong " e "Like spinning plates".

No mesmo ano, o Radiohead lançou o EP ao vivo "I might be wrong - Live recordings", com canções do "Kid A" e "Amnesiac", além da inédita "True love waits", uma das mais tristes e bonitas canções compostas por Yorke.

O disco seguinte, "Hail to the thief" (2003), veio confirmar o que muitos já sabiam: talvez com exceção do U2, o Radiohead era (é) a melhor banda de pop/rock do planeta. O grupo conseguiu unir a melancolia, escuridão e minimalismo dos últimos trabalhos com a urgência e guitarras dos primeiros, se transformando "Hail to the thief" no primeiro sucesso de crítica e público desde "Ok computer". Canções como "2+2=5", "Sit down stand up", "Sail to the moon", "Where I end and you begin", "We suck young blood", " There there " e "I will" já valem o disco, o maior da carreira da banda, com 14 músicas.

Até que, em 2007, o Radiohead rompeu com a gravadora e lançou seu último disco, "In rainbows", protagonizando uma revolução na indústria musical, sendo o álbum inicialmente disponibilizado para "download" pelo preço que o ouvinte/fã se dispusesse a pagar. Enxuto em suas dez faixas, o álbum é, literalmente, um "grower", pois melhora a cada nova audição. Canções como "Bodysnatchers", " Nude ", "All I need", "Jigsaw falling into place" e "Videotape" confirmam que a banda segue no topo. Quem for ao show, no Rio ou em São Paulo, terá uma oportunidade única de conferir uma das mais importantes bandas da atualidade no auge da carreira.

Agenda:

Just a fest @ Praça da Apoteose. Com Radiohead (22h30m), Kraftwerk (20h45m), Los Hermanos (19h) e DJ Maurício Valladares (18h). Rua Marquês de Sapucaí s/n, Praça Onze. R$ 200. Abertura dos portões: 16h

Just a fest @ Chácara do Jockey. Com Radiohead (22h), Kraftwerk (20h15m), Los Hermanos (18h30m) e DJ Maurício Valladares (17h30m). Rua Francisco Morato 5100, bairro Ferreira. R$ 200. Abertura dos portões: 14h


RADIOHEAD CD's & MP3's: BuscaPéMercadoLivreAmazonInsound7digital

Radiohead no Brasil

Como vão ser os shows do Radiohead
[Texto e fotos por Marcelo Costa, jornalista e editor do Scream & Yell]

Berlim, 08 de agosto de 2008. Três dias antes, o Radiohead havia tocado na terceira noite do Rock Werchter, na Bélgica, um festival que ainda contou com R.E.M., Neil Young, Lenny Kravitz e Beck (entre muitos outros). O público ficou dividido. Muita gente achou o show frio e o repertório pouco convidativo. Em um dos raríssimos momentos em que Thom Yorke se dirigiu à platéia, o vocalista falou: “É uma honra pisar no mesmo palco em que Neil Young tocou”. Só. Foram vinte e duas músicas, apenas um bis e nada de “Creep”. Muita gente deixou o local preferindo a apresentação do Sigur Rós (que tocou antes) ao Radiohead.

Corte para o trem em Berlim. Minutos após deixar a estação que atende ao aeroporto de Schönefeld, um homem grisalho aparentando uns 45 anos sentado no último banco do vagão, de jaqueta de couro e com uma garrafa de cerveja na mão (e são só 9h), interpela três garotos de quase vinte anos, primeiro em alemão, depois em inglês. “De onde vocês são?”. Um dos rapazes responde: “De Manchester, na Inglaterra. Viemos ver o Radiohead”, entrega dizendo mais do que lhe foi perguntado. O homem se interessa: “O Radiohead vai tocar aqui? Em Berlim? Putz, sabe a turnê do “The Bends”? Eu vi sete shows!”…

Berlim foi a vigésima oitava parada da turnê “In Rainbows”. Os shows no Brasil – primeiros da banda em mais de 15 anos – vão ser os de número 51 e 52 da tour, e a banda continua fiel ao seu lado difícil. Em 50 shows, hits de primeira hora como “Anyone Can Play Guitar” do álbum “Pablo Honey”, e “Black Star” do disco “The Bends” (aquele que o alemão é fã) não foram tocados sequer uma vez. Mas “Creep”, inédita até então na turnê, apareceu no segundo show do México, o que pode prometer surpresas para o repertório brasileiro. Em compensação, canções novas como “Weird Fishes/Arpeggi”, “Bodysnatchers”, “All I Need”, “Reckoner”, “Nude”, “Videotape” e “15 Step” foram tocadas todas as noites. E apenas duas canções por show são de “Ok Computer”.

Na capital alemã, o show acontece no meio do grande parque Wuhlheide, na periferia da cidade, mesmo local em que a banda tocara no dia 11 de setembro de 2001, no mesmo horário em que aviões colidiam com torres nos Estados Unidos. Parece especial para Thom Yorke tocar ali. Quanto mais se entra na mata, mais ela se fecha. Em certo momento, abre-se uma clareira, e o que surge carrega semelhanças com um antigo teatro romano. O palco está montado no fundo, arquibancadas de metal e madeira cercam quase todo o lugar, e gente de todo o mundo conversa numa confusão de línguas. Dezenas de barracas de bebidas, comidas e souvenirs lotam as redondezas e uma dupla de DJs faz algo que, provavelmente, só os alemães entendem até o finzinho da tarde.

A rotina segue: o jogo de luzes (barras de tungstênio penduradas no teto) toma sua posição, fileira por fileira, até cobrir toda a extensão do palco. Uma melodia minimalista começa a tocar enquanto os ajustes finais são dados e a banda toma seu lugar. O telão (no fundo e nas laterais), na verdade, são diversas telinhas que focam cada integrante (tal qual o clipe de “Jigsaw Falling Into Place”). “Weird Fishes/Arpeggi” abriu o show do Werchter, mas em Berlim eles preferem começar com “15 Step”, que serviu como abertura em mais de metade das apresentações da turnê. Em seguida é hora de testar os batimentos cardíacos dos fãs com uma faixa de “Ok Computer” (”Airbag”, “Lucky”, “Karma Police”, “Climbing Up The Walls” ou “Exit Music (for a film)”).

Junto com diversas possíveis faixas de “In Rainbows”, uma de “Kid A” (a sensacional “National Anthem”) e duas de “Hail To The Thief” marcam presença (quase certa) na primeira parte do show: a excelente “There There” e a sonolenta “The Gloaming”. No decorrer o grupo não facilita e da-lhe b-sides como “Bangers and Mash” e “Talk Show Host”. As canções de “The Bends” começam a dar às caras no miolo do set list: na Bélgica foi “Just”, e em Berlim, um presente especial: “Nós tocamos aqui em 11 de setembro de 2001. Espero que vocês lembrem essa canção. É para vocês”. O riff marcante de “My Iron Lung” preenche o ambiente. “Fake Plastic Trees” também pode rolar.

A parte final da noite traz faixas de “Kid A”, “Amnesiac” e “Hail To The Thief” como “Optimistic”, “Where I End and You Begin”, “Dollars & Cents”, “How To Disappear Completely”, “Pyramid Song” e um dos grandes momentos do Radiohead (e de Thom Yorke) no palco: “Idioteque”. Chegamos ao bis e “Everything In It’s Right Place”, em versão house, ou abre ou fecha. “You And Whose Army?” também costuma aparecer – e jogar um balde de água fria na audiência. Sem problema, pois “Paranoid Android” aparece para reerguer o ânimo em uma versão irretocável. “Planet Telex”, “The Bends”, a inédita “Supercollider” e “2+2=5? costumam aparecer também.

A rigor, o set list do Radiohead é fechado em 22 canções incluindo um bis. Nas duas datas do México, por exemplo, foram 25 canções em dois bis – se a banda e o público estiverem animados podem rolar até três bis. O repertório é dividido assim: de oito a dez canções de “In Rainbows”, uma de “The Bends” (pode até serem duas) três de “Ok Computer” (nunca quatro, mas quem sabe) e mais um ou dois b-sides. E todo o resto da tríade “Kid A”, “Amnesiac” e “Hail To The Thief”. O show tem momentos mágicos, mas pode muito bem trazer bocejos a quem não é muito familiar ao som do quinteto – e cansa um pouco até aqueles que conhecem as faixas mais obscuras. É uma apresentação que costuma demorar a engatar, mas nada como uma “No Surprises” para derreter corações de gelo.

As atitudes emblemáticas do Radiohead no showbusiness são levadas aos extremos no palco. Eles não tocam os hits fáceis porque não querem tocar. Ponto. Misturam faixas eletrônicas que poucos conseguem entender com cavalos de batalha de seu repertório num constante bate e assopra que procura reafirmar os dois lados distintos do grupo e que ali, naquele espaço, são eles quem mandam. Todos que admiram a banda podem se deliciar com o senso de dificuldade que o grupo de Thom Yorke parece criar em torno de si mesmo, cujo resultado mais simplista seria: eles poderiam optar por um repertório que facilmente faria de suas apresentações um momento mágico na Terra, mas preferem mostrar que o pessimismo (tema tão presente nas letras do grupo) também faz parte deste mundo.

Os fãs que amam o Radiohead cegamente vão adorar o show. Na verdade, eles já saem de casa adorando (em 99% dos casos com qualquer artista). Já aqueles que admiram a banda por suas particularidades talvez torçam o nariz, mas devem perceber que o show do Radiohead é mais teórico que prático. Diz mais sobre o show o que não acontece. E afinal de contas, quem vai ver o Radiohead ao vivo quer mesmo sair feliz após o show? Como sorrir após cantar “Wolf At The Door”, “No Surprises” e/ou “Nude” (que diz: “Não tenha grandes idéias / Elas não vão acontecer”)? Thom Yorke cria um paradoxo interessante para os tempos modernos. Ele entrega sua tristeza e seu pessimismo para a felicidade de uma multidão, mas quer deixar claro que não faz disso um ato heróico: se você quiser, vai ser do jeito dele, e não do seu. Poucos artistas – poucos, muito poucos – no mundo conseguem isso.

Para os shows do Brasil, muita expectativa sobre como a banda irá se portar frente ao público brasileiro pela primeira vez. A chance do grupo ceder e tocar mais canções “fáceis” que o normal é mínima, embora o repertório das datas no México abram um precedente, o que quer dizer que as apresentações de sexta, no Rio de Janeiro, e do domingo, em São Paulo, possam ter surpresas. O roteiro dos 50 shows anteriores desta turnê deve ser seguido à risca, mas e se a banda estiver mais à vontade, se o clima estiver bom, se o público colaborar, se o tempo ajudar, se Jorge Ben aparecer, o que pode acontecer com o Radiohead aqui? Lembre-se: é um jejum de mais de 15 anos que será quebrado – para a banda e para o público. Alguém assopra o ouvido dizendo que vão ser duas noites especiais. Será? O que você espera do show, caro leitor?

Veja quais foram as 56 canções tocadas pelo Radiohead nas 50 datas da “In Rainbows Tour 2008/2009?. Entre parênteses, o número de vezes que eles tocaram cada música.

» All I Need (50)
» Bodysnatchers (50)
» Reckoner (50)
» Nude (50)
» Weird Fishes/Arpeggi (50)
» Videotape (50)
» 15 Step (50)
» There There (49)
» Everything In Its Right Place (49)
» Idioteque (48)
» Faust Arp (45)
» Jigsaw Falling Into Place (45)
» The Gloaming (44)
» National Anthem (41)
» House of Cards (36)
» Paranoid Android (34)
» Optimistic (33)
» Pyramid Song (31)
» Bangers and Mash (27)
» You And Whose Army? (27)
» Lucky (26)
» Airbag (23)
» Just (23)
» Exit Music (for a film) (22)
» How To Disappear Completely (19)
» Street Spirit (fade out) (19)
» Karma Police (18)
» Climbing Up The Walls (18)
» Dollars & Cents (16)
» Where I End and You Begin (15)
» Planet Telex (15)
» No Surprises (15)
» Morning Bell (14)
» Fake Plastic Trees (14)
» Talk Show Host (13)
» The Bends (12)
» My Iron Lung (11)
» Myxomatosis (10)
» 2+2=5 (10)
» Wolf at the Door (9)
» Cymbal Rush (9)
» Go Slowly (8)
» Like Spinning Plates (8)
» Kid A (4)
» Supercollider (4)
» Hunting Bears (4)
» The Tourist (3)
» Knives Out (2)
» Bullet Proof.. I Wish I Was (1)
» Sail To The Moon (1)
» I Might Be Wrong (1)
» In Limbo (1)
» Tell Me Why (1)
» True Love Waits (1)
» Creep (1)
» Fog (1)


RADIOHEAD CD's & MP3's: BuscaPéMercadoLivreAmazonInsound7digital